A cena que não se cala

A cena que não se cala

Encerramento da coletânea “Arquivo Punk Rock do Sul – Caos e Desordem Na Região Metropolitana” foi marcado por casa cheia e bandas de tirar o fôlego

Som pesado, muito moshi e galera em peso. Assim foi o dia de domingo (22) no encerramento da coletânea organizado pelo Arquivo Punk Rock do Sul no Trilha Hub Cultural em Sapucaia do Sul (RS), que contou com bandas de nome da cena underground metropolitana. Além da exposição dos trabalhos Rebu Lisérgico, onde trazia várias pinturas e desenhos a mão, expressando os sentimentos da alma. Também não podia faltar aquela poesia e violão na voz de Alexandre Milani, abrindo o evento e a nossa querida comediante Juliana Barros chamando a galera pro agito anunciando cada banda. Isso mostra que o underground está forte, e cada vez mais ganhando espaço na luta contra a opressão, por toda liberdade de expressão e garantindo nossos direitos e nossa voz ouvida. E essa galera NUNCA VAI SE CALAR!

Aquelas peitas de respeito do Coletivo Mao e Arquivo Punk Rock do Sul! E claro, a Coletânea monstra 💥💥
Exposição Rebu Lisérgico
Juliana Barros e Alexandre Milani abrindo os trabalhos do evento
I.C.H. banda veterana de peso 👊🏼
A galera da Contra Todos tocando terror 💥
Se não tem roda punk não tem graça!
Abaixo o sistema! Boca Braba pô!
“e quem vai nos salvar na escuridão da nossa mente escravizada?” ASTER na área
Como eles mesmo dizem, “mateando e fazendo barulho desde 1994”,
Os Torto!
Punk rock feminino de atitude? Aqui tem! 3d mostrando pra que vieram!🤘🏼💥
Aquela delicia de som na voz de Baracy e os Miseráveis, encerrando essa noite foda!
author
Baterista das bandas Inkognita (grunge/ metal alternativo) e Visão Remota (HC/ punk/ ska/ reggae), de Porto Alegre, RS

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *